edição nº 6 ano 2019
outros títulos do autor
Ritual da Árvore
     
 
veja também
Escudo protetor sonoro
Biocibernética Bucal
Pedra–Flor–Pássaro
Guerra
Ponto de vista

Nada deve ser desculpa para se permitir um acidente, menos ainda um acidente de grandes proporções; agora, permitir a repetição deste acidente é irresponsabilidade, negligência, é não respeitar a vida da população e dos funcionários, é desrespeitar as Leis, é crime.


As Leis sabemos que existem para serem cumpridas, porém não são — falta empenho dos governos federal, do estado e das prefeituras; todos os interessados nos impostos abrem mão das riquezas do estado e da vida da população. Há outros responsáveis, o sistema Confea / Crea que não fiscaliza adequadamente. É fato que no acidente da mineradora Samarco ocorrido em 2015, após passado tanto tempo, não foram punidos os responsáveis nem indenizadas as vítimas, como também não realizaram ações para restaurar a região e o meio ambiente.


E ainda no último acidente, em janeiro de 2019, tivemos que suportar o pronunciamento do presidente da mineradora, que vem a público dizer que sempre cumpriu com as leis. Este é o maior desrespeito que pode ocorrer, é como que matar vários seres humanos (funcionários, terceirizados, população moradora, etc.). Além de causar danos enormes à natureza, destruiu cidades, mas, mesmo assim, tendo causado todos esses desastres, vem dizer que está cumprindo com as Leis.


É neste cenário que temos vivido há muito tempo, empresas que se intitulam gigantes e poderosas, mas que, no momento de aprovar um projeto que sabidamente põe em risco vidas humanas, cidades e a natureza de uma região, optam pela condição mais barata, mesmo sabendo dos riscos que envolvem a escolha do projeto inseguro. Com eles encontram-se profissionais que se intitulam técnicos, porém, na realidade, aceitam assinar projetos incompletos, irregulares e inseguros, desconsiderando a análise de risco, sempre com a desculpa de que, se não fizerem assim, perderão o emprego e outros aceitarão fazê-lo no seu lugar.


Apoiamos a tecnologia e o desenvolvimento, porém, devemos priorizar o ser humano (a população) e o meio ambiente.


Antonio Carlos dos Santos

Sacerdote do SOLARIS e Membro do Grupo da Meditação da Árvore. Engenheiro Industrial Mecânico e Engenheiro de Segurança do Trabalho. Vice-Presidente da Associação Paulista de Engenheiros de Segurança do Trabalho  APAEST. Conselheiro Suplente do CREA-SP

 

 

 

 

 
 
Imprimir